A Corsi mentiu

Na noite de quarta-feira, 24, supostamente a empresa Corsi Tecnologia, pegou fogo ao ser atacada por Hackers.
Os criminosos digitais valeram-se de uma quebra de segurança, penetraram um vírus de computador nos servidores da empresa, e isso causou um curto que gerou o incendio.


Deste modo, sites hospedados pela marca foram retirados do ar.
A empresa disse que trabalhava nesta quinta-feira, 25, na solução do problema e prometeu regressar suas atividades na sexta, 26.

A empresa também prometeu ingressar com ação judicial, contra a programadora Nathália Valle, da Royal Express.
Para a Corsi, Nathália foi responsável por vazar as senhas do servidor para que os Hackers invadissem e realizassem o suposto atentado.
Suposto porque, depois de investigar, a equipe Royal Express descobriu que esta informação não é verdadeira.
Valle nunca participou de qualquer atividade criminosa, tão pouco cedeu acessos de senhas para terceiros.
Os servidores da Corsi nunca foram queimados, e a prova está aqui agora.
Quando acessamos a domínios internos da marca percebemos que eles estão ainda em funcionamento.
Se o servidor tivesse de verdade pegado fogo, esses dados teriam se perdido e nem um domínio iria funcionar.
Quem orquestrou a ação, com o objetivo de se ter recursos financeiros por trás das intenções, foi amador, e brincou com a capacidade de reação do Portal Royal, de seus administradores.
A Equipe tomará as medidas necessárias e cabíveis, contra este ataque a honra e dignidade do Portal e de seus integrantes, especialmente de Nathália.
A pessoa responsável, seja ela quem for, irá arcar com os custos de sua mentira e de sua tentativa enganosa.
Quanto aos servidores que antes hospedavam o Portal Royal Express, estarão sendo remanejados a outra empresa que seja séria e idônea, diferente desta Corsi.

Vale salientar, que esta marca hoje existe, porque há cerca de 2 anos, Guilherme Kalel, participou de sua fundação.
Ajudou na sua administração, e deu sangue e suor, para que a marca se consolidasse.
Hoje, as atitudes promovidas por membros da Corsi, mostram total falta de lealdade e caráter.
A empresa aproveitou-se de uma vulnerabilidade de uma organização criminosa, que protagoniza uma série de atentados contra Kalel e a Onor Kester ao longo de 2 anos, para que pudesse obter vantagem financeira de maneira ilegal e imoral.

Em breve mais detalhes