Brumadinho - O primeiro dia de uma intensa e triste cobertura

Estou aqui em Brumadinho, Minas Gerais, onde acompanho os trabalhos de equipes de resgate, e o drama de familiares de vítimas da tragédia ocorrida na sexta-feira, 25.
Apesar de ter chegado apenas na tarde deste domingo, como reforço para ocupar o lugar da colaboradora Laura Elisa, que regressou para casa por motivos de saúde, eu já pude sentir um pouco do tanto que as coisas são fortes por aqui.
Neste primeiro dia de trabalhos, pude acompanhar drama, desespero, pessoas que queriam mas não tinham informações.
E na angústia, insistiam em gritar, em quererem ser ouvidas.
Muitas dessas famílias, perderam tudo o que tinham, literalmente.
Além de perder parentes e amigos na tragédia, casa, carros e todos os bens, foram tomados pelo mar de lama que se transformou parte da cidade.
Um desastre humano e ambiental, que de olhar para fotos você acaba tendo ideia da proporção.
Mas que estando aqui, vendo cara a cara, sentindo de corpo presente, você entende o significado de tanta dor.

Ainda não sei ao certo quantos dias essa cobertura irá durar, ou por quanto tempo eu irei ficar por aqui.
Mas é fato que tenho certeza, dias mais virão, e me marcarão ainda mais como hoje o marcou.